quinta-feira, 2 de janeiro de 2014

Poder e Responsabilidade

Ter poder é outorgar poder aos outros, mas nem todo mundo quer esse poder, porque junto com ele vem a responsabilidade, “sabemos que a criança, desde cedo, quer o poder, mas não quer a responsabilidade”¹ e é aí que o poder se torna despótico e abusivo, pois fica centralizado nas mãos de quem não quer cedê-lo e não tem responsabilidade para administrá-lo.

Carl Jung duvidava que amor e poder pudessem coexistir em uma só pessoa: “Onde reina o amor, não existe nenhuma vontade de poder; e onde a vontade de poder predomina, falta amor. Um não é mais que a sombra do outro.”² – Discordo dessa perspectiva, uma vez que, Jesus foi amoroso e poderoso e o amor é quem outorga poder e esse poder necessariamente deve vir acompanhado de responsabilidade, Jesus pregava a autonomia de seu povo outorgando poder a eles e fazendo-os pensar na sua própria situação de opressão, assim, a liberdade e a salvação consistem em usar esse poder outorgado e nato de todos para seu bem e dos outros.

1 Pertencendo ao Universo, p.170
2 Amor e Poder, p.40